Líder da Igreja da Maconha tem 2ª condenação na Justiça Ras Geraldinho foi condenado a 12 anos e 3 meses de prisão por tráfico de drogas e associação para o tráfico; ele nega os crimes

A Justiça de Americana condenou Geraldo Antonio Baptista, o Ras Geraldinho, fundador da “Igreja da Maconha”, a 12 anos e 3 meses de prisão por tráfico de drogas e associação para o tráfico. É a segunda condenação semelhante contra o homem de 58 anos, preso em 2012. Em 2013, a Justiça determinou que ele ficasse atrás das grades por 14 anos, pena que foi reduzida depois para 10 anos e 3 meses. O réu nega os crimes e diz que a droga era usada em rituais religiosos. Seu advogado no primeiro caso quer discutir no STF (Supremo Tribunal Federal).

A nova sentença, do mês passado, condena Geraldinho e mais quatro pessoas, inclusive a namorada do acusado e o filho dela. Segundo um advogado que representou Geraldinho neste processo, o réu continua na cadeia por causa da condenação de 2013. A SAP (Secretaria Estadual de Administração Penitenciária) não respondeu se o fundador da 1ª Igreja Niubingui Etiope Copic de Sião do Brasil, que ficou conhecida como “Igreja da Maconha”, está preso.

Nova sentença condena Geraldinho e mais quatro pessoas, inclusive sua namorada e também o filho dela
O juiz André Carlos de Oliveira baseou a decisão do mês passado em acusações referentes a três operações policiais na chácara na Praia dos Namorados onde funcionava a sede da igreja. As batidas policiais ocorreram nos dias 30 de junho de 2010, 22 de junho de 2011 e 13 de dezembro de 2011.

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal