A liberdade religiosa do mundo diminuiu nos últimos dois anos, sendo que em países como a Síria, o Iraque, Afeganistão, Nigéria, Coreia do Norte, Arábia Saudita e Somália a situação já era tão má que se manteve. Estas são algumas das conclusões do relatório de 2016 Liberdade Religiosa no Mundo da Fundação AIS e que será apresentado amanhã em Lisboa.

Entre junho de 2014 e junho de 2016, “a liberdade religiosa diminuiu em onze – quase metade – dos 23 países com piores infrações. Noutros sete países desta categoria, os problemas já eram tão maus que dificilmente poderiam ficar piores”, pode ler-se no documento. “A nossa análise também revela que, dos 38 países com violações mais significativas da liberdade religiosa, 55% permaneceram estáveis em relação à liberdade religiosa e em 8%, nomeadamente no Butão, no Egito e no Catar, a situação melhorou.”

Este cenário deve-se, em grande parte, ao facto de nos últimos dois anos ter surgido “um novo fenómeno de violência com motivação religiosa, que pode ser descrita como hiper-extremismo islamita, um processo de radicalização intensificada, sem precedentes na sua expressão violenta”, refere o relatório.

Uma violência que pode ser traduzida em eventos em todo o mundo – desde 2014, ocorreram ataques islamitas violentos num em cada cinco países de todo o mundo, desde a Suécia à Austrália, incluindo 17 países africanos. Mas não só: na Ásia Central, a violência hiper-extremista está a ser usada pelos regimes autoritários como pretexto para uma “repressão desproporcionada das minorias religiosas, cerceando liberdades civis de todos os tipos, incluindo a liberdade religiosa”.

Em países como a Síria e o Iraque, “este hiper-extremismo está a eliminar todas as formas de liberdade religiosa”. Na Síria, mas também no Afeganistão e na Somália, “tem sido um fator-chave na repentina explosão de refugiados”.

A vinda destes refugiados para a Europa está a ter como consequência a diminuição da liberdade religiosa no Velho Continente. “Este hiper-extremismo está em risco de destabilizar o tecido sócio-religioso, com países esporadicamente alvo de fanáticos e sob pressão de receberem números sem precedentes de refugiados, maioritariamente de uma fé diferente das comunidades autóctones”, sublinha o documento.

O que leva ao “aumento de grupos populistas e de direita, restrições ao livre movimento, discriminação e violência contra religiões minoritárias”, sublinha a Fundação AIS. Exemplo: em março, um comerciante muçulmano em Glasgow, na Escócia, Reino Unido, foi assassinado num ataque com motivações religiosas depois de ter desejado boa Páscoa na sua página do Facebook.

Há nações, como a Índia, o Paquistão e a Birmânia, onde uma religião é identificada com o Estado. Nestes casos “foram dados passos para defender os direitos dessa religião, por oposição aos direitos dos crentes individuais”. Ou como na China e o Turquemenistão, onde “tem havido uma repressão renovada dos grupos religiosos que se recusam a seguir a linha do partido nos regimes autoritários”.

Nos países com piores infrações, incluindo a Coreia do Norte e a Eritreia, “a contínua penalização da expressão religiosa representa a negação total dos direitos e liberdades, por exemplo através do encarceramento de longa duração sem julgamento justo, da violação e do assassínio”, sublinha o relatório, no qual foram analisados 196 países.

Fonte: www.dn.pt